Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2010

Eterno Retorno ...

Há quase dois anos que não escrevo nada aqui. E hoje perguntaram-me se já tinha retomado a escrita ... e pensei "onde é que tu te meteste este tempo todo???". Parece que andava perdida por ai e a avaliar pelo momento ainda devo estar e sabe-se lá quando é que me encontro. Talvez quem sabe um dia destes ou talvez nunca me encontre, o que faz de mim um ser errante e inconformada com a existência. Porquê? Sei lá, porque passeamos com um dormência brutal pela vida sem nos dar-mos conta de que estamos vivos e presos ao tempo?

A ausência de tudo faz sentido, agora que penso nisto. 

Mas será que inventamos o nada para fugirmos ao vazio de nós mesmos? Ou por outro lado, somos antes engolidos pelo vazio do nada numa existência aparentemente sem rumo?

Será que esta espécie de desnorte numa falsa existência não é fruto do desencontro de nós mesmos com esse nada que é tudo?

Sinto-me perdida, sem rumo e num estado de apatia, não diria total, mas anda lá perto. Por vezes, cruzam-se na nossa vida situações que nos fazem questionar se este é o meu verdadeiro eu. Será que vale a pena lutar ou simplesmente desistir quando não restam forças?? Mas depois, a natureza fala mais alto e diz que não, desistir é mesmo a útima etapa da vida, deixar-me levar ... só mesmo quando não conseguir mais agarrar-me à corda, ai deixar-me-ei cair e cair até sentir uma paz total a apoderar-se de mim.

Ando mesmo perdida na multidão à procura daquela luz que eu, tu, nós sabemos que existe e que nos faz andar a deambular por ai, como se não houvesse amanhã.

Afinal o que sou, o que é que quero, para onde vou ....????

Um momento de vertigem que percorre o corpo e a alma e me fez temer a mim mesma, porque lá no fundo todos sabemos a resposta.

Quando estou só reconheço
Se por momentos me esqueço
Que existo entre outros que são
Como eu sós, salvo que estão
Alheados desde o começo.

E se sinto quanto estou
Verdadeiramente só,
Sinto-me livre mas triste.
Vou livre para onde vou,
Mas onde vou nada existe.

Creio contudo que a vida
Devidamente entendida
É toda assim, toda assim.
Por isso passo por mim
Como por cousa esquecida.

Fernando Pessoa

 

 

 

 


publicado por osmosephilosofica às 16:27
link do post | favorito
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 2 seguidores

.pesquisar

 

.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Lágrima

. Eterno Retorno ...

. Apenas animais ... ?

. Por cautela....

. A Loucura

. Presépio de lata

. Preso á alma

. Teologia e hipocrisia

. És livre?

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Maio 2007

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub